A CIÊNCIA E A PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

O futuro de nossa civilização tem sido visto até agora em termos de uma cultura terrena isolada.

A superação do paradigma biológico e a superação do tabu que envolve as informações sobre os visitantes de raça humana com alta civilização provenientes de outros sistemas permitem uma abordagem original sobre o problema do futuro de nossa cvilização.

A descoberta da origem galáctica do ser humano e da complexidade do passado da Terra (Lemúria e Atlântida) permite uma reavaliação das tradições lendárias politeístas, assim como dos mitos e profecias das tradições religiosas e revelatórias.

Acontecimentos históricos como o fim do Império Romano, a revolução copernicana, a chegada da frota de Cabral, a revolução francesa, etc, oferecem exemplos para uma análise da mudança social e cultural em larga escala.

Nesse sentido, se nossos modelos científicos em Física e Biologia podem vir a ser contestados de modo surpreendente, o mesmo não se pode dizer dos paradigmas na experiência histórica e antropológica, em que reconhecemos uma evolução por saltos e discontinuidades.

Junto com os quadros de mudança no sistema social, é necessária uma revisão da linguagem científica segundo os novos paradigmas, o que continua mal-explicado no uso que a cultura pop e os meios de comunicação fazem de discursos anti-científicos, discursos místicos-esotéricos, textos deslumbrados, etc, toda vez que pretendem abordar estes assuntos.

O Esclarecimento destas questões em termos do público civil, da linguagem jornalística, e do conhecimento científico, são requisitos para o salto em evolução civilizada, a exemplo das teses "iluministas" (Aufklärung) do séc. XVIII



Ciro Moroni Barroso
Centro de Cultura Raul de Leoni – Diretor
Fundação Cultural Petrópolis
I Bienal do Livro de Petrópolis - 2002
Palestra: Sábado 09/MAR, 16:00 hs, Auditório 1
autor de: GULLIVER, 1992
Editora Record – selo Nova Era (1999)